segunda-feira, 31 de outubro de 2011

4 years.


Eu estou com uma dor de cabeça profunda e tenho que comer, tomar um belo banho, tomar remédio e ir dormir 40 minutos para poder passar o resto do dia estudando. Então, não vai ser um texto com as mais lindas palavras, mas você sabe que tudo o que eu escrevo é de coração.
As pessoas dizem que descrever o amor é impossível. E a amizade? Amizade envolve amor, não é? Um amor puro. Amigos se ajudam, consolam-se, trocam risadas, compartilham tristezas... Amigos são amigos, não importa quando, onde, como. Serão amigos, sempre. Claro que eu estou falando dos verdadeiros.
Nossa amizade é diferente. Você já me amava antes de me conhecer. Quando me conheceu, amou-me mais ainda. É difícil ser tão amável, sabe? Estou brincando. Mas enfim, hoje nós completamos 4 anos de amizade. Eu pude aprender muitas coisas contigo. Mesmo sabendo que você vai se achar a bala que matou o "Kennedy" depois disso, com você eu pude aprender muito e pude vivenciar as melhores coisas nessa vida. 
A gente se xinga o tempo todo, discute, você revira os olhos para mim, chama-me de burra e tal, mas eu sei que você me ama incondicionalmente. E eu te amo também. Menos que você, claro. Hahaha.
 Nós não somos normais. Nós todas. A maioria das pessoas acharia feio brincar de gato-mia ou apagar a luz do quarto, colocar pisca-pisca e ficar dançando Mc Sheldon ou ficar cantando loucamente Nx Zero ou correr atrás de um balanço ou sair gritando em cima de um Buggy por aí. Porém, a gente (eu, você, Mine ,  Bia, Baby, Mayara, Helena, Ana Clara)  não tem vergonha na cara. E o melhor: não nos importamos com a opinião dos outros. Porque é isso: falta felicidade em muitas pessoas. Ou melhor, falta saber ser feliz. Quando estou com vocês eu viro uma demente. Aliás, eu sou demente sempre, mas com vocês eu compartilho demências, isso é mágico. 
A verdade da vida é essa: a gente é que cria a magia. Sabe aqueles objetos bem simples, que quando a gente desenha, pinta, decora, ficam bem lindos? Assim é a vida: as coisas mais simples transformam-se nas mais belas. Nós temos o dom de fazer isso. 
 Espero que possamos viver mais 4 e mais 40 e mais 400 anos. Os 400 foram um exagero, mas enfim... 
Te amo, coisa chata. Vê se para de se xingar e aprende que, mesmo que algumas pessoas sejam fúteis a ponto de acharem que sim, aparência, mão, pé, bunda, coxa, língua, dente, traqueia, esôfago, útero, unha, sola do pé... nada disso importa quando, por dentro, significamos muito mais. Lembre-se disso. E qualquer coisa, eu estou aqui. Afinal, vagalumes brilham.

Nenhum comentário:

Postar um comentário