segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Some dreams hurt.


Tudo congelou naquele momento em que eu vi aqueles seus negros olhos bem perto dos meus. Eu podia ver um pequeno brilho dentro deles. Passamos um bom tempo apenas nos olhando, com os rostos juntos, a respiração lenta. Ele pegou a minha mão. As suas mãos estavam quentes, contrastando com o meu corpo, que estava frio, tremendo. E então, com um sorriso, ele disse as palavras que eu sempre sonhei em ouvir.

- Eu te amo, muito mais do que você possa imaginar. Sei que, definivamente, isso pode ser um adeus ou então apenas um recomeço. Eu só queria que você soubesse disso porque simplesmente não consigo mais esconder. Eu não posso, eu não consigo mais ficar sem te ter. Eu preciso de você aqui comigo, sempre precisei. E se eu não te ter, eu não serei eu. Porque não existe o meu eu sem você. Eu te amo.

Eu não conseguia falar nada. Apenas o olhava. O brilho nos seus olhos passou a demonstrar esperança e, agora, tristeza. Ele devia imaginar que estava tudo acabado, que não havia mais jeito. Porém, eu não conseguia pensar em outra coisa que não fosse me jogar em seus braços e ficar ali para sempre. Por outro lado, estava com medo. Muito medo. Um medo que me fez congelar e me afastar um pouco. Ele percebeu meu afastamento, e disse, com as palavras mais tristes e sinceras que alguém já usara para falar comigo antes:

- Eu sei, você não quer acreditar.

Ele abaixou a cabeça, e percebi que meu rosto estava molhado. Lágrimas estavam descendo dos meus olhos. E dos dele também. Eu podia sentir a sua aflição. Mas eu simplesmente não conseguia dizer nada. O medo era mais forte. Eu tinha muito medo de tudo aquilo ser uma ilusão, uma mentira. O que eu podia fazer? Será que eu o amava a ponto de arriscar meu coração de novo? Por fim, foi isso o que eu decidi.
Eu me mexi. Ele voltou a me olhar. Novamente, vi um brilho de esperança dentro de seus olhos. Eu cheguei mais perto e mais perto e... e dei um sorriso meio tímido. Ele permaneceu imóvel, e eu continuei a olhá-lo. Em seguida, ele sorriu. Parecia mais uma criança quando ganha um doce. Aquele sorriso que tanto sonhei em ver...
Então ele pôs as mãos em minha cintura e me beijou.
Estávamos chorando e nos beijando. Eu podia sentir o seu coração bater junto ao meu, podia sentir a sua respiração acelerada, podia sentir o calor de seu corpo. Quando terminou de me beijar, eu recuperei as forças e consegui dizer algo.

- Eu te amo.
Ele me abraçou forte, e todo o frio que eu havia sentido antes de seu toque, foi embora. Ficamos ali, abraçados, debaixo daquele lindo céu, com aqueles brilhantes estrelas e aquela lua encantadora.

Uma pena tudo ter sido apenas um sonho.

Thaianny Melo

2 comentários:

  1. Lindo! tem sonhos que poderiam durar para sempre!
    é uma pena que sejam só sonhos!
    lindo post! Amei bjs!

    ResponderExcluir