domingo, 29 de abril de 2012



Um dia me disseram que as lembranças boas são as que mais causam dor.
Sabe, eu só tenho 16 anos de idade, e sinto como se já tivesse mais de 25. É como se eu já tivesse vivido tantas coisas, quando na verdade não vivi nada direito.
É triste acordar e não querer levantar da cama. Eu passou alguns minutos olhando para o teto, pensando "Por quê? Por que eu devo me levantar e encarar mais um dia se eu sei que ele vai ser como todos os outros?". Mas aí dentro de mim, algo diz "Apenas tente! Sorria e finja que tudo está normal". Então eu me levanto e digo a mim mesma que vai ser diferente. Na verdade, não é. Nunca é.
É aí que eu me lembro do Marista e deixo as lágrimas caírem. Tento fazer com que essas lágrimas levem embora toda a dor que guardo em meu peito. 
Na verdade, eu lembro de mim. 
Uma menina cheia de sonhos, solta, livre, que tinha um sorriso que encantava a todos. Lembro-me de quando eu ajeitava as coisas do colégio, arrumava tudo e aguardava ansiosa pela espera do outro dia, para ver os meus amigos... Eu apenas sorria. Não me preocupava com absolutamente nada. Eu era feliz. Sabe o que é isso? Leram direito? Eu era fe-liz. Eu gostava de sorrir, de viver, de abraçar os meus amigos, de ser legal com as pessoas, de conhecê-las mais e mais. Por quê, meu Deus? Por que eu tinha de mudar tanto? Por que eu tive de deixar isso acontecer? 
O que eu tenho hoje? Eu tento buscar palavras para descrever exatamente tudo o que se passa dentro de mim, mas é como se elas fugissem de mim, porque eu não consigo explicar, não como eu quero. É difícil transferir para um simples texto o que há neste meu coração. Dentro dele, há uma inundação. Há mágoas intermináveis e incuráveis. Por mais que eu tente, eu não consigo esquecer isso.
Por mais que eu tente, eu não consigo ser feliz. Quando eu estou prestes a dizer que me sinto melhor, algo acontece e desmorona tudo. Às vezes sinto que meu destino é sofrer, sentir dor e mais dor. Por quê? Por que comigo? Será que um dia conseguirei dizer que eu estava enganada, sendo dramática e pessimista? Será que um dia isso vai passar? Será que um dia eu vou parar de fazer perguntas e obterei respostas válias? Será, Deus? Será? Diga a mim que eu só preciso esperar, que eu esperarei, com muita fé! Diga para mim que isso virá, que eu serei feliz, que todas essas lágrimas já desperdiçadas voltarão como sorrisos cheios de amor, cheios de alegria, de magia, de beleza. Diga pra mim que é uma questão de tempo! Apenas manda um sinal, meu Deus, é o que Te peço. 
Dói tentar ser forte em vão. Será que eu não mereço a minha dose de felicidade? Mas não aquela que dure alguns segundos. Eu não quero sofrer mais, meu Deus. Eu quero ser feliz, de verdade, eu quero ser muito feliz.
Eu quero voar... Eu quero sentir cada brisa do vento. Quero soltar meus cabelos, abrir meus braços, e sentir a magia da natureza me possuir. Quero beijar a Lua, quero abraçá-la, quero me deitar na areia da praia, jogar-me no mar, sentir as ondas, ouvir as águas... Quero que tudo o que o Senhor criou permaneça aqui, e que eu possa ser feliz apenas com isso, sem precisar de amores, de pessoas... Sem precisar de nada!
Apenas me diga, meu Deus, apenas me diga!

Um comentário:

  1. Olá encontrei o seu blog por acaso lir esse texto é bem triste vc expressa um vazio q vc sente na alma...posso dizer q tinha esse vazio que escrevia esse textos tbm..mas enfim querida conheci alguém q arracou esse vazio da minha alma essa dor q parece ser insuportavel..eu conheci á Deus Ele é o unico q pode suprir esse buraco no nosso peito...e nesse momento Ele esta ai contigo esperando vc se rende a Ele, espirimente conhece esse Deus e te garanto q tudo vai ser diferente.
    Fica com Deus Bjss

    ResponderExcluir